domingo, 30 de outubro de 2011

Vivências do Irreal

Reprimi o som do televisor e então entendi que tudo, isto, é propaganda (enganosa). São as cores, os rostos, as formas, os movimentos, a entoação, qualquer coisa de espécie humana. Tudo isto é fútil, tudo isto é condenável ao degredo. Mudar de canal? Talvez…
Quando é que as palavras terão o seu valor real e valerão por si mesmas? Porque dizemos que este ou aquele é um bom livro? Não deveria bastar ser livro para ser bom? Porque algo tem de pressupor outro algo para caracterizar uma identidade? O quê? O céu é azul e eu sou humano, condenado ao sufoco ou à delinquência, como preferirem…

E era uma vez um ser insignificante que, incompreensivelmente, quis vestir o mundo de realidade. Mostrem os gordos, os pobres, mas não em reportagens sensacionalistas ou programas duvidosos. Tragam para o primeiro plano todos esses que andam por aí dispersos, mostrem a realidade, mostrem o mundo… Utopias?! Mais não, obrigado.

Um comentário:

  1. Gostei do artigo. As pessoas não são mais do que escravas neste mundo...

    ResponderExcluir